Louras Zumbis. Louras Z-U-M-B-I-S!!!

É isso aí. Não se deixe enganar por esses lindos olhos azuis e esses cabelos louros maravilhosos, ou essa pele perfeita… As animadoras de torcida desse livro são bem mais que fúteis, são zumbis.

Hannah tem 15 anos e já se mudou de cidade tantas vezes que nem se preocupa mais em contar. Mas uma coisa é certa: é sempre fácil descobrir quem são as garotas populares da escola… Louras, bonitas, atléticas: líderes de torcida. Mas, em Maplecrest, ela é surpreendida ao ser chamada para se tornar uma delas — mas talvez essa transformação seja mais profunda do que parece.

Eu comentei sobre o livro aqui e nesta semana tive a oportunidade de lê-lo. Não sei muito bem como e o quê comentar primeiro. Foi um livro que me surpreendeu um pouco porque não é exatamente aquilo que eu tinha mente. E isso é bom e ruim.

Em primeiro lugar, tenho que dizer que essa capa é SHOW! Sério, esses olhos azuis realmente me assustaram de vez em quando, e apesar de ser um tanto assustadora, também é super linda. Gamei nessa capa. Vamos lá, minha sinopse:

“Hannah é uma adolescente chata que por culpa de seu pai ainda mais chato e egoísta, têm que se mudar constantemente para cidades aleatórias. A cidade da vez é Maplecrest, um lugar quase vazio e esquecido pelo tempo, onde todo mundo parece estranho para Hannah. No colégio ela conhece “as louras”. Elas são as mais populares, as líderes de torcida, as mais lindas e desejadas, blá blá blá. Mas é claro que Hannah quer ser uma delas também! É a única forma dela se enturmar no colégio e poder ter uma vida normal até que seu pai decida mudar de cidade novamente. Mas Lukas, seu super-legal-amigo-que-gosta-de-gibis a alerta: As louras são zumbis. Fique longe delas!”

Então, como vocês podem perceber pela sinopse, eu não gostei muito da Hannah. Ela é chata, não sabe o que quer (qual delas sabe?) e também não tem uma personalidade muito forte. O pai da Hannah é ainda pior que ela, mas pelo menos não é constante na trama. Ele se muda de cidade sempre que é melhor para ele, não se importando se a Hannah está bem com isso ou não, muito menos o quanto vai ser difícil para ela. Fala sério.

O personagem mais legal da história toda é sem dúvidas o Lukas! Ele não é nem de longe o garoto perfeito, bonito e musculoso – o que foi uma das surpresas boas do livro, porque eu pensava que no meio de tantas louras zumbis, um cara gato e gostoso é que ia salvar a Hannah e eles viveriam felizes para sempre –, Lukas é um meio nerd fã de gibis que se torna amigo de Hannah logo de cara. É ele quem passa o livro inteiro avisando a Hannah o que as louras-líderes-de-torcida realmente são. O problema é que… ela não ouve.

A narrativa do Brian não é tão viciante assim, ele chega a enrolar em algumas partes do livro mas na medida certa, porque são somente 240 páginas.

Eu não esperava um livro assustador, com muito sangue e órgãos humanos sendo comidos por zumbis vorazes que pretendem dominar o mundo e ok, eu realmente não esperava isso, só um pouquinho mais de sangue. Apesar da falta de cenas trash, tem algumas partes que assustam, como o pesadelo de Hannah e o clímax final (não quero falar spoilers!). Poderia ser um livro muito melhor mas o Brian não soube conduzir a história do jeito certo, o que também não estraga as coisas.

Louras Zumbis é um bom livro de pseudo-terror-adolescente que vale a pena colocar na sua listinha. E daria um filme trash maravilhoso! Podia até ser o próximo Resident Evil. HAHAHA.

Anúncios