Foi difícil escolher o livro que eu menos gostei. Tem vários paradidáticos e de literatura nacional que eu simplesmente detestei, mas depois de muito pensar, escolhi A Cabana por motivos que eu vou citar.

Comprei esse livro em 2008, com a maior curiosidade do mundo. A história parecia bem legal, diferente e seria um tipo de livro que eu ainda não tinha lido. Mas foi totalmente ao contrário.

A narrativa de William é meio cansativa e não prende você ao livro. Apesar de ter poucas páginas, demorei 2 semanas lendo por isso. E o que dizer da história? Eu não gostei nem um pouco, talvez porque não tenha acreditado em quase nada do que acontece com Mack. É incrível que tantas pessoas tenham gostado do livro, mas um encontro com Deus, Jesus e Espírito Santo numa cabana não me agradou.

É interessante a forma como o autor aborda os traumas do personagem, porque não é só com o assassinato da filha que Mack tem de lidar, mas também com o pai e o próprio assassino de Missy. Ainda sim, isso não é suficiente para me fazer gostar do livro, que deveria ser classificado como auto-ajuda e não como ficção.

Eu realmente não recomendo para você, que assim como eu, não suporta auto-ajuda e é fã YA Books e de autores ateus (Bernard! Bernard!).

Anúncios