Conversando com umas colegas hoje, percebi o quanto algumas de nós – garotas – se limitam tanto a determinados gêneros literários, musicais e cinematográficos.

Antes que tirem conclusões erradas sobre o assunto do post; sou amante de chick-lits, comédias românticas, pop music e tudo relacionado à cultura pop. O problema é que algumas de nós não se permitem gostar mais do que isso. Talvez minha personalidade feminista tenha influenciado alguns pontos do texto, mas vamos lá.

Filmes:

Um dia desses estava lendo uma revista (acho que era a Gloss) e vi uma pequena nota sobre Homem de Ferro 2, dizendo o seguinte: “Se o namorado a arrastou para o cinema para ver o primeiro Homem de Ferro e você até gostou um pouco, vá com ele ver Homem de Ferro 2”.

E você me pergunta: Qual o problema com essa nota?!

A autora desta nota, consciente ou inconscientemente supôs que nós mulheres, não podemos gostar de filmes de super-heróis. Como? “Se o namorado a arrastou…”, ou seja, nós só iriamos ver Homem de Ferro no cinema se fossemos arrastadas por nossos namorados? Como assim? E ela continua: “e você até gostou”, ou seja, nós nem podemos amar o filme só porque é de ação e baseado numa HQ?

Meninas, eu sei que filmes desse estilo não agradam todas vocês mas não se permitam influenciar por outras pessoas. Filmes de super-heróis, de ação, suspense… podem SIM agradá-las se vocês ignorarem o seu próprio preconceito e assisti-los de boa vontade.

Ah, eu sei que comédias românticas e adaptações dos livros do Nicholas Sparks (Um Amor para Recordar, Querido John, Diário de Uma Paixão) podem parecer opções melhores para assistir, e não estou desmerecendo nenhum deles, mas NÃO dá pra falar que você só gosta de um estilo se nunca assistiu nenhum filme de outro.

Algumas mulheres reclamam do machismo mas as próprias apoiam o preconceito ao se limitarem assim. Pior que um homem machista, é uma mulher machista.

Vamos ao exemplo dos livros:

De todas as pessoas que eu conheço, menos da metade conhece os livros do Bernard Cornwell, Dan Brown, J.R.R Tolkien ou Christopher Paolini. Eu entendo que nem todas gostem deste gênero literário mas novamente digo: Dêem uma chance! Se você tentar e mesmo assim não gostar, leia um livro da série Mortal, de Nora Roberts. Lá você encontra um cara gostosão (Roarke, eu te quero!) e uma protagonista exemplar, além de sempre ter um caso policial intrigante.

Conheça os livros:

Nudez Mortal, 1° da série Mortal, de Nora Roberts.

Azincourt, de Bernard Cornwell.

O Símbolo Perdido, de Dan Brown.

Há também HQs e mangás. Você provavelmente deve conhecer os comic books e os animes japoneses (adaptações de mangás) mas você não lê porque… “É coisa de menino!!!”

Juro que sempre que eu ouço essa frase tenho vontade de cortar a pessoa em pedacinhos com um sabre de luz.

Quando forem à uma banca, peguem uma HQ ou um mangá (Superman, Star Wars, X-Men, Death Note, Vampire Knight, a que tiver!) e dê uma olhada. É divertido, é diferente, e NÃO é coisa de menino!

E por último, a música. Esse exemplo é bem básico: “– Que música você gosta? – Pooop! Tipo, Beyoncé ou aquela nova que tá tocando no rádio. – Aah, conhece Muse? AC/DC? Gosta de um pouco de rock? – Que rock o quê! Não sou homem, não!”

Se você não gosta de rock ou de qualquer estilo diferente de pop e R&B, é porque ainda não ouviu aquela música em especial. É claro que você viu Twilight e amou Supermassive Black Hole, mas que tal escutar outras músicas do Muse? Que tal conhecer Death Cab for Cutie, AC/DC, The Killers, 30 Seconds to Mars…

Fica aqui algumas músicas que eu amo!

E garotas, lembrando que o que eu quis dizer é: Não tem problema se você prefere comédias românticas, chick-lits e música pop. Eu também amo isso! Só que antes de criticar essas coisas ou serem preconceituosas julgando como “coisa de homem” lembrem-se de conhecer o filme/livro/banda antes! Porque além de estar julgando uma coisa que você não conhece, você está sendo machista.

Anúncios